terça-feira, 1 de agosto de 2017

Polaroid ocular





O vento sopra, os anos passam e eu só me fodo, oi, eu sou um desenho mal feito numa parede sendo vencida pelo lodo, a maldição que é ter que crescer, viver se acostumando a não ter, esquecer e perder, entender que uma tórrida chuva de lágrimas não fará crescer sementes de amor em tristes terras mortas de esquecimento e rejeição, ai de mim que tenho coração, ode ao tosco, ódio ao falsamente chamado "perfeito", mas confesso sem jeito essa incessante fome de simplicidade pela cidade, "Viver é foda, morrer é difícil", à sombra de frios edifícios, dessa janela de ônibus eu quis chorar com a calma visão do mar...

Nenhum comentário:

Postar um comentário