quinta-feira, 29 de setembro de 2011

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

sábado, 24 de setembro de 2011

Vida lá fora
















Àcerca de certas coisas,
o meu estranho comportamento,
sabe, a maneira como sinto, o
jeito que eu desconfortavelmente
me sento, lamento em tantos "porquês",
quando já tão alta noite, por não ter
nascido de outro jeito, sem a sensação
de "falta" no peito que nunca me deixa
por completo, vivendo acordado num
mundo deserto, nesse meu sono profundo;
Nunca mais pude despertar, nunca mais
pude descansar em paz, essa carência
me deixou num estado de dormência
quase irreversível, que meu melhor
predicado é "invisível"...

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Aproveite o silêncio
















Não precisa
ter pressa no
ato de se curtir
a solidão, não,
não, a beleza
já nem é assim,
tão relevante,
quando só lhe
restam "migalhas"
de instantes sob
a mesa desse
alguém; mais
apetece o "nada"
a você, faz assim,
desaparece pra
beira do mar,
de preferência
ao luar, lá tu há
de ser alguém,
um alguém rico
de tanta noite
só pra si, pra que
dividir essa, se
pra curtir tal
solidão não é
preciso pressa...

terça-feira, 6 de setembro de 2011

Madrugada das sanidades "metais"















O céu, quando mais
honesto, escancarado,
estrelado, aberto à
confissões, e eu fui
no quintal às três da
manhã, pensar sobre
as ilusões do dia, acabei
eu me confessionando
com o vento, que frio,
ria, soprava sem sequer
parar pra ouvir, é, tô aqui
de bobeira, falando sozinho,
já quase terça-feira, mais me
disse o céu na beleza do seu
silêncio audível, paupável,
invisível aos olhos das mentes
descrentes na poesia muda de
Deus, do que as besteiras lógicas
do mero "eu"...

quinta-feira, 1 de setembro de 2011